Envilead 2005 um estudo sobre incineração de resíduos

1. O Projeto Internacional de Eliminação de POPs (IPEP) Fomentando a Participação Ativa e Efetiva da Sociedade Civil

nos Preparativos para a Implementação da Convenção de Estocolmo, Um Estudo sobre Atividades de Incineração de Resíduos em

Nairóbi que libera dioxina e furano no meio ambiente Ligação, educação e ação para

Desenvolvimento (ENVILEAD) Quênia, novembro de 2005, Edifício Anexo da Casa do Canhão, Avenida Haile Selassie PO Box 45585-

00100, Nairobi, KENYA Tel: + 254-20-243914, + 254-734-940632 E-mail: envilead@excite.com Novembro de 2005
• 2. Sobre o Projeto Internacional de Eliminação de POPs Em 1º de maio de 2004, o Projeto Internacional de Eliminação de POPs

Network (IPEN http://www.ipen.org) iniciou um projeto global de ONGs chamado Projeto Internacional de Eliminação de POPs

(IPEP) em parceria com a Organização das Nações Unidas para o Desenvolvimento Industrial (ONUDI) e as Nações Unidas

Programa de Meio Ambiente (PNUMA). O Fundo para o Meio Ambiente Global (GEF) forneceu financiamento básico para o projeto. IPEP

tem três objetivos principais: • Incentivar e capacitar ONGs em 40 países em desenvolvimento e em transição a ii

envolver-se em atividades que forneçam contribuições concretas e imediatas aos esforços do país na preparação para o

implementação da Convenção de Estocolmo; • Aprimorar as habilidades e conhecimentos das ONGs para ajudar a construir seus

capacidade como atores efetivos no processo de implementação da Convenção; • Ajudar a estabelecer

coordenação nacional de ONGs e capacidade em todas as regiões do mundo em apoio a esforços de longo prazo para alcançar

segurança química. O IPEP apoiará a preparação de relatórios sobre a situação do país, hotspots, resumos de políticas e

atividades regionais. Três tipos principais de atividades serão apoiados pelo IPEP: participação no

Plano Nacional de Implementação, oficinas de treinamento e conscientização e campanhas de informação e conscientização públicas.

Para obter mais informações, consulte http://www.ipen.org IPEN agradece o apoio financeiro da

Fundo Global para o Meio Ambiente, Agência Suíça para o Desenvolvimento e Cooperação, Agência Suíça para o Meio Ambiente

Florestas e paisagem, o Fundo de POPs do Canadá, o Ministério Holandês de Habitação, Planejamento Espacial e Meio Ambiente

(VROM), Fundação Mitchell Kapor, Sigrid Rausing Trust, New York Community Trust e outros. As visualizações

expressas neste relatório são dos autores e não necessariamente as opiniões das instituições que fornecem

gestão e / ou apoio financeiro. Este relatório está disponível nos seguintes idiomas: Inglês Internacional

Projeto de Eliminação de POPs – Site IPEP- www.ipen.org
• 3. iii ÍNDICE LISTA DE

FIGURAS ………………………………………………………………………… ..V LISTA DE TABELAS

………………………………………………………………………………… V ACRÓNIMOS E

ABREVIATURAS ………………………………………………. VI SUMÁRIO EXECUTIVO

…………………………………………………………………. 1

INTRODUÇÃO …………………………………………………………………………… .. 2

Fundo

……………………………………………………………………………………………………….

……. 2 Gravação e POPs

Geração……………………………………………………………………………. 3 objetivos

de estudo

………………………………………………………………………………………………… .. 4

Significado de

Estudo ………………………………………………………………………………………………… 5

METODOLOGIA……………………………………………………………………………. 5 Escopo de

a

Estudar……………………………………………………………………………………………..

.. 5 Preparação para o estudo

………………………………………………………………………………………… 6 Locais de

Interesse

………………………………………………………………………………………………… 6 ÁREA

DE ESTUDO …………………………………………………………………………… 6 LITERATURA

REVISÃO …………………………………………………………………… 7 Efeitos para a saúde

……………………………………………………………………………………………………….

… 8 Efeitos Ambientais e Socioeconômicos

………………………………………………………………. 8 Outros Poluentes da Incineração

………………………………………………………………………… .. 9 Oposição pública a

Incineração ……………………………………………………………………… 10 Ovos do Quênia

Estudar

………………………………………………………………………………………………… .. 10
• 4. ACHADOS DO ESTUDO ………………………………………………………………………… 11

Básico

Resultados ………………………………………………………………………………………… ..

………. 11 Geral

Resultados ………………………………………………………………………………………… ..

… .. 12 DESAFIOS À CONVENÇÃO DE ESTOCOLMO: PARTES RESPONSÁVEIS –

QUÊNIA ……………………………………………………………………… .. 15 POPs e Científico

Desenvolvimento …………………………………………………………………………… 15 POPs e menos

Países Organizados …………………………………………………………………. 15 o

Meio Ambiente e Economia ………………………………………………………………………… 17

PRÁTICAS ALTERNATIVAS …………………………………………………………. 17 alternativa

Tecnologias para tratamento de resíduos perigosos ………………………………… 17

RECOMENDAÇÕES ………………………………………………………………… .. 19 CONCLUSÃO

…………………………………………………………………………………… 21 ANEXO 1: MAPAS

……………………………………………………………………………… .. 24 ANEXO 2: PLACAS

……………………………………………………………………………. 26 iv
• 5. v LISTA DE FIGURAS Fig. 1: Comparação das emissões de U-POPs de diferentes categorias de fontes no Quênia

……………………………………………………………………………………………………….

…………… .. 4 Fig. 2: Valores médios (PCDD / Fs) encontrados em Ovos Amostrados em Dandora – Quênia, em comparação com

níveis em ovos de outros locais contaminados no mundo ………… 11 LISTA DE TABELAS Tabela 1. Mundialmente

emissões atmosféricas de metais traço da incineração de resíduos

……………………………………………………………………………………………………….

…… 10 Tabela 2. Métodos de eliminação de resíduos para várias empresas importantes em Nairobi ………. 14 Tabela 3. Não

Tecnologias de incineração para tratamento de resíduos perigosos …………… 18
• 6. vi ACRÔNIMOS E ABREVIATURAS AFD: Agence Francaise de Développement APCD: Dispositivos de Controle de Poluição do Ar

BAT: Melhores Técnicas Disponíveis BEP: Melhores Práticas Ambientais CBO: Organização Baseada na Comunidade CBS: Central

Bureau of Statistics EMCA: Lei de Gestão e Coordenação Ambiental EPR: Responsabilidade Estendida do Produtor

GAIA: Global Anti-Incinerator Alliance / Global Alliance for Incinerator Alternatives GoK: Governo do Quênia

GPCR: Redução Química da Fase Gasosa HCB: Hexaclorobenzeno IARC: Agência Internacional para Pesquisa do Câncer

IPEN: Rede Internacional de Eliminação de POPs IPEP: Projeto Internacional de Eliminação de POPs ITDG: Intermediário

Grupo de Tecnologia JICA: Agência de Cooperação Internacional do Japão KAM: Associação de Fabricantes do Quênia KEBS:

Escritório de Padrões do Quênia KEPI: Programa Expandido de Imunização do Quênia KIPPRA: Instituto do Quênia para o Público

Política de Pesquisa e Análise KNH: Kenyatta National Hospital LOCs: Países Menos Organizados NIP: Nacional

Plano de Implementação NCT: ONG de Tecnologia de Não Combustão: Organização Não Governamental PCBs: Policlorados

Bifenilos PCDD: Dibenzo-p-dioxinas policloradas PCDF: Dibenzofuranos policlorados POPs: Orgânico Persistente

Poluentes PVC: Cloreto de Polivinila SANE: África do Sul New Economics (rede) SCWO: Água Super-crítica

Oxidação TCDD: 2,3,7,8 – tetraclorodibenzodioxina TEQ: Quociente de equivalência tóxica TNT: Trinitrotolueno UNEP:

U-POPs do Programa Ambiental das Nações Unidas: Poluentes Orgânicos Persistentes Não Intencionais USEPA: Estados Unidos

Agência de Proteção Ambiental OMS: Organização Mundial da Saúde
• 7. SUMÁRIO EXECUTIVO Este relatório descreve os resultados de um estudo realizado na cidade de

Nairobi, Quênia por ENVILEAD. O estudo foi realizado entre os meses de janeiro e março de 2005, sobre o

padrões de prática que são susceptíveis de liberar poluentes orgânicos persistentes (POPs) no meio ambiente como

parte das iniciativas do International POPs Elimination Project (IPEP’s). O foco do estudo foi o

prática de queima de resíduos médicos e municipais, cuja pesquisa tem se mostrado uma fonte potencial de

POPs não intencionais (U-POPs). O objetivo do estudo foi investigar a anatomia dessa prática, identificar

as principais questões envolvidas e fazer recomendações para o futuro. Foi estabelecido que queimar é o

método dominante de disposição de resíduos na cidade, e isso é feito por meio de incineradores industriais e a céu aberto

ar. A principal razão para este método preferido de descarte é sua conveniência na ausência de um funcionamento

sistema de gestão de resíduos (pela Câmara Municipal) e na ausência de orientações legais adequadas sobre a eliminação

de resíduos sólidos pelo governo. No entanto, esta prática também está associada a vários outros fatores, como

falta de conscientização por parte do público, pressões econômicas e a escassez geral de recursos administrativos

capacidade em países menos organizados (LOCs). O estudo foi capaz de estabelecer que a área ao redor do Dandora

o aterro sanitário, o maior local de queima de resíduos da cidade, está altamente contaminado com POPs. Isso foi estabelecido a partir de

os resultados dos níveis de U-POPs em ovos amostrados no local em um estudo diferente. Também há uma grande probabilidade

de outros locais, como o incinerador do Hospital Nacional Kenyatta (KNH), cujas temperaturas máximas variam

entre 600 ° C e 700 ° C e não tem Dispositivos de Controle de Poluição do Ar (APCD), e local de queima ao ar livre e

O local de queima aberta de Kitengela sendo hotspots de U-POPs. O estudo apresentou as seguintes recomendações principais para

o caminho a seguir: ¾ É necessário realizar pesquisas adicionais para reunir informações mais detalhadas

em relação a este padrão de prática. Entre as pesquisas adicionais necessárias está na área de relacionamento

entre a dinâmica socioeconômica e a prática, a quantificação dos níveis de dioxinas (bem como outras

poluentes orgânicos e metais pesados) emissões dos locais identificados e estabelecimento dos impactos de

o mesmo na saúde pública; ¾ O arcabouço legal para a destinação segura de resíduos sólidos, com base no Best Available

Técnicas (BAT) e Melhores Práticas Ambientais (BEP), devem ser abordadas; ¾ A indústria de plásticos, como um

maior contribuinte de resíduos de difícil gerenciamento, precisa estar totalmente engajado na busca de soluções no

programa de gestão de resíduos da cidade; ¾ Maior esforço deve ser colocado no desenvolvimento de alternativas

tecnologias 1 para eliminação segura de resíduos, que devem ser acessíveis e sustentáveis;
• 8. ¾ Uma apreciação popular da ciência da ecologia precisa ser criada no país, como um meio de

garantindo o apoio de base sustentado para os esforços de conservação ambiental. INTRODUÇÃO Antecedentes Assim como

a geração de resíduos envolve uma complexa interação de processos sociais, culturais, econômicos e tecnológicos,

a gestão adequada dos resíduos não pode ser dissociada dos mesmos processos. Embora seja necessário, para conceituais

fins, para ver a gestão de resíduos como uma categoria de atividade clara e distinta na sociedade, na prática qualquer

uma estratégia de gestão de resíduos bem-sucedida deve abordar questões tão diversas como padrões de consumo, incentivos

sistemas (a economia da gestão de resíduos), tecnologia de tratamento de resíduos e estruturas legais. Em sua forma mais ampla

Nesse sentido, a questão da gestão de resíduos é um aspecto da busca por estratégias de desenvolvimento sustentável. Esta

relatório visa fornecer uma visão geral das questões críticas em relação à gestão da saúde municipal e médica.

resíduos em Nairóbi, especialmente no que diz respeito ao perigo potencial de geração de POPs não intencionais (U-POPs) no

processo de queima desses resíduos. O objetivo mais amplo do estudo é auxiliar no desenvolvimento de uma ampla

estratégia de gestão de resíduos para a cidade e demais áreas urbanas do país, no contexto das disposições do

a Convenção de Estocolmo sobre Poluentes Orgânicos Persistentes (POPs). Anexo C da Convenção de Estocolmo,

identifica incineradores de resíduos, incluindo co-incineradores de resíduos municipais, perigosos ou médicos ou de esgoto

lodo, como categorias de origem com alto potencial para liberação de U-POPs no meio ambiente. Municipal e médico

resíduos foram selecionados para estudo devido à sua grande quantidade como uma porcentagem do total de resíduos gerados1, e

a natureza complexa das questões envolvidas na gestão adequada desses dois tipos de resíduos. Câmara Municipal de Nairobi

(2002) admite que não é capaz de gerir os resíduos de forma eficaz na cidade, e de particular preocupação foi o

proliferação de instalações médicas informais, algumas das quais localizadas em áreas residenciais. O

A Lei de Gestão e Coordenação Ambiental (1999), está bem posicionada para gerenciar resíduos, incluindo POPs-

resíduos contaminados, fornece disposições para o estabelecimento de padrões, licenciamento de locais de disposição de resíduos e controle

de resíduos perigosos. No entanto, a falta de mecanismo de fiscalização é o maior desafio enfrentado pela gestão de resíduos em

Quênia (Conselho Municipal de Nairobi, 2002). 2 1 Um relatório da NEMA revela que Nairóbi gera aproximadamente 2.000

toneladas de resíduos por dia. Destes, 68% são resíduos municipais gerados em residências (East Standard 2004)
• 9. O Quênia, como país, está em processo de desenvolvimento de um Plano Nacional de Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde. O

O Conselho Nacional de Controle da AIDS acaba de receber fundos do Banco Mundial para custear o HIV / AIDS no Quênia

Projeto de Resposta a Desastres, parte dos fundos deve ser usada no desenvolvimento de um Resíduos de Assistência Médica Nacional

Plano de gestão (Daily Nation, 2005). A falta de cumprimento da legislação ambiental pertinente, entre outras

fatores, levou a uma situação caótica em que quase tudo vai tão longe quanto o manuseio de resíduos é

preocupado. Um relatório recente da KIPPRA sobre a gestão de resíduos sólidos no Quênia mostra que apenas 25% dos resíduos sólidos

gerado diariamente na cidade de Nairóbi é coletado atualmente (UNEP 2005). O foco do estudo foi o desperdício

queima, que qualquer observação casual revela ser a opção de eliminação de resíduos preferida para o Nairobi

moradores, o que é consequência da omissão da Câmara Municipal e do Governo em instituir

tratamento de resíduos de sistemas organizados. O estudo analisou os tipos de queima ao ar livre e incineradores industriais.

Queima e geração de POPs Dibenzo-p-dioxinas policloradas (PCDD) e dibenzofuranos policlorados (PCDF),

Hexaclorobenzeno (HCB) e Bifenilos Policlorados (PCBs) são poluentes orgânicos persistentes não intencionais

(U-POPs), formados e liberados a partir de processos térmicos envolvendo matéria orgânica e cloro como resultado de

combustão incompleta ou reações químicas. Esses U-POPs são comumente conhecidos como dioxinas por causa de sua

estrutura e efeitos na saúde (Tangri 2003). Esses U-POPs são de origem natural e antropogênica. Eles

resistir à degradação fotolítica, biológica e química. Eles são bioacumulativos, espalhados geograficamente e

são tóxicos para a vida. A concentração de U-POPs de origem antropogênica aumentou muito ao longo dos anos.

O Toxics Link Report (2000) identifica várias fontes potenciais desses U-POPs, entre elas o lixo hospitalar

incineração e queima a céu aberto de resíduos domésticos. De acordo com estimativas da USEPA, resíduos sólidos urbanos

a incineração e a incineração de resíduos médicos estão entre as principais fontes de dioxinas liberadas para a atmosfera. Eles

compensar 1.100gm TEQ / ano e 477gm TEQ / ano respectivamente (USEPA 1998). De todas as categorias de origem, combustão

fontes são responsáveis por quase 80% das emissões atmosféricas. 3
• 10. 4 AIR LAND Resíduos Incineração Produção de metais ferrosos e não ferrosos Produção de produtos químicos e

Bens de consumo * Processos de combustão não controlada de incineração de resíduos Fonte: Inventário de POPs do Quênia Fig. 1:

A comparação das emissões de U-POPs de diferentes categorias de fontes no Quênia Luscombe e Costner (2003) mostram como

incineradores põem em risco a saúde pública e o meio ambiente em geral. Eles identificam os poluentes tóxicos em

gases e resíduos do incinerador, e enumerar os danos ambientais e à saúde humana dos vários produtos químicos

nos lançamentos do incinerador. Connett (1998) mostra como a incineração de resíduos municipais é uma solução pobre para o

problema de gestão de resíduos. Ele lista as emissões tóxicas da incineração e mostra como dioxinas, furanos e outros

os subprodutos da combustão têm impacto na saúde humana e no meio ambiente. Objetivos de estudo O objetivo geral do

estudo foi compreender a dinâmica (social, econômica e tecnológica) da prática da queima de resíduos em

cidade e saber como isso pode contribuir para a liberação de U-POPs no meio ambiente. Outros críticos

questões, como o impacto do padrão de prática na saúde pública, foram deixadas para a próxima fase do estudo.

Os objetivos específicos do estudo foram: i. para avaliar a extensão da queima / incineração de resíduos em Nairobi

ii. estabelecer o papel do Conselho Municipal de Nairóbi na prevalência de queimadas e incineração como o

métodos preferidos de eliminação de resíduos iii. para identificar a localização dos locais de queima / incineração de resíduos no

cidade iv. descobrir como os resíduos contendo cloro (como plásticos de PVC) são descartados v. avaliar o nível de

Conscientizar o público em geral sobre as consequências adversas da incineração de resíduos
• 11. vi. examinar os mecanismos reguladores do governo para o descarte de resíduos 5 contendo cloro vii. para

explorar BAT e BEP adequados para a gestão de resíduos no Quênia. Importância do Artigo 5 do Estudo de Estocolmo

A convenção exige que as partes, inclusive o Quênia2, tomem medidas para reduzir ou eliminar as emissões não intencionais

produção de POPs. Essas medidas incluem: i. redução das liberações totais anuais derivadas de antropogênicos

fontes de U-POPs, com o objetivo de sua minimização contínua e, quando viável, eliminação final; ii.

o desenvolvimento de um plano de ação (NIP) pelas partes. O NIP do Quênia deve estar pronto em 25 de dezembro de 2006; e

iii. promover o BEP e incorporar o BAT no NIP. As descobertas do estudo serão incorporadas ao NIP do Quênia

da Convenção de Estocolmo a fim de ajudar na realização das medidas acima. METODOLOGIA para

para atingir os objetivos deste estudo, foram utilizados dados primários e secundários. Dados primários compreendidos local

visões, percepções e opiniões relacionadas aos locais de disposição de resíduos entre os membros da comunidade local. Vários

O governo e outras pessoas capacitadas também forneceram dados primários valiosos para o estudo. O estado do

incineradores e lixões, bem como os métodos de disposição, foram estudados por meio da observação dos pesquisadores.

Dados adicionais foram coletados tirando fotos dos locais e entrevistando trabalhadores (quando aplicável)

nos diferentes locais visitados. Os dados secundários foram obtidos de informações publicadas e não publicadas sobre

queima de resíduos no Quênia e em outras partes do mundo. Estudos anteriores realizados com resíduos médicos e municipais

disposição nos níveis global, regional, nacional e local foram revisados. A análise descritiva foi usada para

resumir os dados coletados. Âmbito do Estudo O estudo foi uma investigação preliminar, destinada a abrir o

forma de investigações mais detalhadas dos mesmos locais e de outros locais semelhantes no país. 2 o

convenção entrou em vigor em 17 de maio de 2004. O Quênia tornou-se parte da convenção em 23 de dezembro de 2004
• 12. Preparação para o recrutamento e treinamento da Equipe de Estudo: Dois assistentes de pesquisa foram recrutados e

treinado para trabalho de campo. Identificação das partes interessadas: várias partes interessadas foram identificadas e abordadas para

suas opiniões sobre a questão sob investigação. Essas partes interessadas incluem: i. Membros do público em Nairobi

ii. Profissionais de saúde iii. O Oficial de Saúde Ocupacional, Ministério da Saúde iv. Nacional

Autoridade de Gestão Ambiental (NEMA) v. Associação de Fabricantes do Quênia vi. Principais supermercados da cidade

vii. Manipuladores de resíduos privados viii. Locais de interesse da Câmara Municipal de Nairóbi Para o estudo de resíduos hospitalares

gestão, os pesquisadores optaram por visitar algumas instituições de saúde com base em Nairobi. Estes foram: Kenyatta

Hospital Nacional (KNH), Hospital de Nairobi, Hospital Mater e Hospital Memorial das Forças. Para o estudo de

gestão de resíduos municipais, os pesquisadores visitaram o lixão da Câmara Municipal de Nairóbi em Dandora, bem como

vários bairros residenciais em Nairobi, incluindo: Jericho, Kariobangi, Huruma, Ngomongo, Baba dogo, Muthurwa,

Shauri moyo, Kimathi, Buruburu, Lucky Summer e Korogocho, todos em Eastlands; Westlands, Kangemi, Uthiru e

Kikuyu ao longo do Caminho Waiyaki no lado oeste de Nairóbi, e Kitengela ao sul da cidade. ÁREA DE ESTUDO

Nairóbi é a maior cidade do Quênia e também a capital do país. Cobre uma área de 696 km² e

atualmente tem uma população de 2.143.254 e densidade populacional de 3.079 por quilômetro quadrado (GoK, 2000). Em 1,5 0

ao sul do equador, Nairobi é uma cidade tropical. Sua altitude de 5.000 a 6.000 pés significa que o clima é

temperado. A precipitação é dividida entre duas estações chuvosas: as chuvas curtas caem em novembro e início de dezembro,

e as longas chuvas entre abril e meados de junho. Por estar virtualmente no equador, Nairóbi tem uma constante

doze horas de luz do dia por dia durante todo o ano. O sol nasce às 6h30 – 7h00 e se põe novamente às 6h30 – 7h00

6 da tarde
• 13. A temperatura média diurna varia apenas ligeiramente ao longo do ano, variando de 85 ° F (29 ° C) em

a estação seca a 75 ° F (24 ° C) durante o resto do ano. À noite, no entanto, as temperaturas podem cair para níveis tão baixos

como 48 ° F (9 ° C), embora raramente inferior. Fundado como uma última parada antes das Highlands para engenheiros ferroviários no

No início de 1900, Nairóbi, que na época era apenas alguns barracos e trilhas, agora cobre 696 quilômetros quadrados. Esta figura

inclui 120 quilômetros quadrados do Nairobi Game Park e todo o Aeroporto Internacional Jomo Kenyatta. Central

Nairóbi mal perfaz cinco quilômetros quadrados. REVISÃO DA LITERATURA Tangri (2003), observa que apesar de intensivo

exame minucioso ao longo de muitos anos, muito permanece desconhecido sobre as emissões de poluentes das atividades de queima de resíduos.

A queima de resíduos produz centenas de subprodutos perigosos distintos, dos quais apenas um punhado deles foi

estudado exaustivamente. Centenas permanecem sem identificação. Connett (1998) identifica algumas das emissões tóxicas de

incineração. Estes incluem: cloreto de hidrogênio, óxido nítrico, metais pesados, dioxinas, furanos e outros U-POPs,

cinzas volantes, cinzas profundas, gás de chaminé, emissões fugitivas e outros resíduos. Sacos de polietileno e plásticos, incluindo

Itens de PVC representam aproximadamente 225 toneladas das 2.000 toneladas de resíduos sólidos gerados diariamente em Nairóbi

(KAM, 2003). Isso representa cerca de 11% do total de resíduos gerados diariamente, enquanto 75% compreende resíduos biodegradáveis

que pode ser compostado. A porcentagem restante é composta por outros materiais recicláveis, como têxteis, metal

e vidro perfazendo 2,7%, 2,6% e 2,3%, respectivamente. A queima a céu aberto de resíduos municipais é amplamente utilizada pela

moradores de Nairóbi, como meio de descarte de resíduos sólidos. 7 Os seguintes fatos em relação aos plásticos foram

identificados na literatura: • De acordo com a KAM, os consumidores e usuários finais são os responsáveis pelo meio ambiente

poluição de plásticos; • Nem todos os plásticos são provenientes da indústria local, alguns são importados; • Os plásticos

setor constitui atualmente cerca de 150 indústrias, e tem uma taxa de crescimento anual de 6%; • Atualmente,

existem cerca de 70 empresas que reciclam plásticos localmente; e • Os plásticos contribuem com 28% de todo o cádmio encontrado em

resíduos sólidos urbanos e aproximadamente 32% de todo o chumbo; substâncias que são altamente tóxicas para os humanos e os

ambiente em geral.
• 14. Efeitos na saúde Devido à natureza persistente e bioacumulativa das dioxinas e furanos, estes

produtos químicos existem em todo o meio ambiente. A exposição humana é principalmente através do consumo de alimentos gordurosos, como

leite. USEPA (2000) em Tangri (2003) observa que 90-95% da exposição humana às dioxinas é proveniente dos alimentos, particularmente

carnes e laticínios. Isso ocorre porque as dioxinas se acumulam em gorduras e óleos3. Seus efeitos na saúde dependem de um

uma variedade de fatores, incluindo o nível de exposição, a duração da exposição e o estágio de vida durante a exposição.

Alguns dos prováveis efeitos sobre a saúde das dioxinas e furanos incluem o desenvolvimento de câncer, sistema imunológico

supressão, complicações reprodutivas e de desenvolvimento, desregulação endócrina (GAIA, 2003; Connett, 1998;

Luscombe e Costner, 2003). A Agência Internacional de Pesquisa sobre o Câncer (IARC) identificou 2,3,7,8 –

TCDD como o mais tóxico de todos os compostos de dioxina. Efeitos Ambientais e Socioeconômicos A acumulação de

dioxinas e furanos no meio ambiente devido às atividades de incineração de resíduos podem atingir níveis que tornam

recursos impróprios para consumo humano. Connett (1989), citado em Connett (2003), relata um incidente em

Holanda, onde 16 produtores de leite a favor do vento de um enorme incinerador em Rotterdam não puderam vender seu leite porque

continha níveis de dioxinas três vezes mais altos do que em qualquer outro lugar na Holanda. Mesmo baixas doses de dioxinas são

muito tóxico. Em 1998, a OMS reduziu sua ingestão diária tolerável (TDI) recomendada de dioxinas de 10 picogramas

TEQ por quilograma de peso corporal por dia (pg / kg / dia) até uma faixa de 1-4 pg / kg / dia (Van Leeuwen e Younes 1998).

De acordo com estudos realizados na Holanda, a exposição pré-natal à ingestão diária típica de dioxinas e PCBs

efeitos sobre o neurodesenvolvimento e os hormônios da tireoide. Déficits de até quatro pontos no QI e aumentaram

suscetibilidade a infecções em crianças de 42 meses expostas à ingestão diária típica de dioxinas / PCBs foram

observado (Patandin 1999). A incineração produz resíduos que requerem tratamento e / ou disposição, na maioria das vezes em um

aterro. A cinza do incinerador – seja como cinza residual ou cinza volante – é altamente tóxica. Tangri (2003) observa que

o manuseio dessas cinzas levanta sérias preocupações porque os trabalhadores muitas vezes são expostos às cinzas, às vezes com pouco

ou nenhum equipamento de proteção. Na Índia, assim como no Quênia, Toxic Link (2000), observa que a incineração é rudimentar

e a maioria dos incineradores tem uma única câmara com uma chaminé de fumaça. Principais razões para as emissões de dioxinas de tais

os incineradores de resíduos são: 8 3 WHO (1999) aponta que as dioxinas são altamente persistentes porque se degradam muito

lentamente e tem uma meia-vida no corpo humano de cerca de 7 anos.
• 15. • quase todos eles queimam resíduos mistos; • devido à falta de fiscalização e monitoramento, a maioria dos hospitais

estão incinerando seus resíduos plásticos e também resíduos tratados com desinfetante clorado; • muitos dos

os incineradores ainda possuem câmaras simples, apesar da instalação de dupla (secundária)

as câmaras são necessárias para eliminar as substâncias voláteis por meio de uma melhor combustão; e • a maioria dos incineradores não

operar sob a temperatura estipulada. De acordo com os regulamentos, as câmaras primárias devem operar a 850º C e

as câmaras secundárias devem operar a 1000º C ou mais. Tangri (2003) enumerou vários problemas particulares

a transferência de tecnologia de incineração para os países em desenvolvimento. Esses problemas incluem: • falta de

monitoramento – sem capacidade de monitorar regularmente as emissões de chaminés ou toxicidade de cinzas de 9 incineradores; • falta de técnica

capacidade para testar emissões – não é possível realizar testes para dioxinas e outros poluentes; • falta de segurança

aterros de cinzas – cinzas tóxicas de incinerador despejadas, na melhor das hipóteses, em um poço sem revestimento, onde corre o risco de

contaminando as águas subterrâneas. Acesso ao freixo não controlado; • corrupção4; • falta de pessoal treinado

– número necessário de mão de obra treinada para gerenciar as operações do incinerador; • restrições orçamentárias – dificultar

manutenção e substituição das principais funções do incinerador; e • diferentes condições físicas e falta de

robustez da tecnologia – onde a tecnologia de incinerador importada do oeste não é apropriada para o

Condições do sul. Outros poluentes da incineração Além de dioxinas, bifenilos policlorados (PCBs)

e Hexaclorobenzeno (HCB), incineradores são fontes de outros compostos orgânicos halogenados, metais tóxicos e

gases de efeito estufa, para citar apenas alguns5. Metais tóxicos liberados de atividades de incineração incluem: Mercúrio, Chumbo,

Cádmio, arsênio, cromo, berílio, antimônio e manganês. Stanners e Bourdeau (1995), citado em Tangri

(2003), fornecem uma estimativa das emissões atmosféricas mundiais de metais traço da incineração de resíduos; isso é

resumido na Tabela 1 abaixo: 4 Onde houver corrupção, a probabilidade de instalação de equipamentos abaixo do padrão

para propinas é alto. 5 [Blumenstock et al (2000) em Tangri, (2003)].
• 16. 10 Tabela 1. Emissões atmosféricas mundiais de metais traço de incineração de resíduos Emissões atmosféricas

da incineração de resíduos Metal 1000 toneladas / ano% da emissão total Antimônio 0,67 19,0 Arsênio 0,31 3,0 Cádmio

0,75 9,0 Cromo 0,84 2,0 Cobre 1,58 4,0 Chumbo 2,37 20,7 Manganês 8,26 21,0 Mercúrio 1,16 32,0 Níquel 0,35 0,6

Selênio 0,11 11,0 Estanho 0,81 15,0 Vanádio 1,15 1,0 Zinco 5,90 4,0 Fonte: Stanners e Bourdeau (1995), em Tangri

(2003), página 17 Oposição pública à incineração A incineração de resíduos é impopular em muitos países. Nos Estados Unidos,

por exemplo, desde 1985, mais de 300 propostas de incineradores de lixo foram derrotadas ou colocadas em espera devido ao público

oposição, e várias grandes empresas de engenharia abandonaram completamente o negócio de incineradores (Connett

1998). Em Michigan, todos, exceto um dos 290 incineradores de lixo hospitalar do estado, fecharam em vez de

tentativa de cumprir os limites de emissões federais impostos em 1997 (Tangri 2003). Tangri (2003) relata que em 2001

sozinhas, as principais propostas de incineradores foram derrotadas pela oposição pública na França, Haiti, Irlanda, Polônia, Sul

África, Tailândia, Reino Unido, Venezuela. Mesmo em países pobres como Bangladesh, a oposição pública aos incineradores

produziu mudanças. Uma proposta de uma empresa americana para construir uma usina que queimaria o lixo enviado-

Da cidade de Nova York a Khulna em Bangladesh foi derrotado pela oposição pública (Connett 1998). Em 2000, GAIA

foi lançado. Os membros do GAIA trabalham tanto contra a incineração quanto pela implementação de alternativas Tangri

(2003). Estudo de Ovos do Quênia Um estudo no início de 2005 sobre amostragem de ovos por ENVILEAD e Arnika (sob a Dioxina, PCBs

e Grupo de Trabalho de Resíduos do IPEN) encontraram ovos coletados ao redor do lixão de Dandora em Nairóbi, Quênia, para ter

níveis de dioxinas 6 vezes mais elevados do que os limites de dioxinas da UE para os ovos. Além disso, os ovos amostrados
• 17. excedeu os limites propostos da OMS para PCBs em mais de 4 vezes (Fig. 2). Estima-se que a Dandora

lixão a céu aberto trata de 803.000 toneladas de resíduos por ano (Inventário Nacional de POPs, 2004). Fig. 2: Valores médios

(PCDD / Fs) encontrados em ovos amostrados em Dandora – Quênia, em comparação com os níveis em ovos de outros contaminados

locais no mundo Fonte: Relatório de amostragem de ovos por ENVILEAD e ARNIKA (2005) ACHADOS DO ESTUDO Basic Findings

O estudo fez várias descobertas básicas que serão importantes na busca por soluções de gestão de resíduos em

Nairóbi e em outras partes do país. Entre eles estão: a. A natureza da demanda do consumidor: no mercado queniano,

onde mais da metade da população do país vive abaixo da linha da pobreza, o plástico constitui uma

opção atraente como o material de escolha para inúmeros produtos domésticos, médicos e industriais. O negócio

organizações que os pesquisadores puderam visitar, como supermercados e fabricantes de plásticos, confirmaram

atratividade de custo do plástico para os consumidores locais. Há, portanto, um desafio básico baseado no mercado para o

problema de gestão de resíduos, 11
• 18. compreendendo uma ação econômica racional ligando consumidores, fabricantes e comerciantes. b. Quadro legal e

capacidade administrativa: os resíduos são um resultado necessário de qualquer processo de produção e consumo. Mas no real

mundo, a quantidade de lixo que uma sociedade produz tem implicações nos recursos que a sociedade necessita para

gerenciando o mesmo. É, portanto, necessário, especialmente onde os recursos para gestão de resíduos são muito limitados,

instituir medidas que reduzam a quantidade total de resíduos gerados, com foco especial em produtos como

como plásticos que são especialmente problemáticos no descarte seguro. A gestão adequada de resíduos requer a aplicação de

as disposições legais existentes. O estudo estabeleceu que o Quênia tem um quadro jurídico sólido (EMCA, 1999) para

orientar a utilização de BEP e BAP na gestão de resíduos. No entanto, a lei não é aplicada ao pé da letra. Isto

foi estabelecido que a maioria das instituições de saúde, incluindo KNH, fazem apenas segregação rudimentar de resíduos. Do

hospitais visitados, apenas o Nairobi Hospital e o Mater Hospital tinham um sistema completo de segregação de resíduos. O

existência de diretrizes legais adequadas é, no entanto, apenas uma parte dos requisitos para um sistema adequado de resíduos

gestão. A outra parte tem a ver com a capacidade administrativa para fazer cumprir essa lei. O estudo estabeleceu

que a Câmara Municipal, que tem a responsabilidade legal pela gestão dos resíduos sólidos da cidade, tem um quadro alarmante

falta de capacidade administrativa para esta função. Por exemplo, o lixão de Dandora, que deveria estar sob

a gestão do Conselho é uma verdadeira bomba-relógio ecológica e de saúde para Nairobi e arredores. 12

Conclusões gerais A seguir estão as conclusões gerais do estudo: I. O nível de conscientização pública sobre o

Os efeitos adversos das atividades de queima de resíduos e U-POPs entre os residentes são pateticamente baixos. Uma maioria de

os entrevistados do estudo não conseguiram relacionar problemas de saúde com atividades de incineração e U-POPs como um importante fator de saúde

ameaça; II. Todas as principais instituições de saúde em Nairóbi, como KNH, Hospital de Nairóbi, Hospital Mater e

O Hospital Forces Memorial tem seus próprios incineradores ou contrata os serviços de um deles. Além disso, no entanto

algumas das instituições estão envolvidas na queima ao ar livre. Por exemplo, o maior hospital do Quênia (KNH)

queima alguns de seus resíduos consistindo principalmente de papel, plásticos, roupas, etc. – geralmente considerados de baixo risco

– em uma cava aberta em frente ao incinerador;
• 19. III. A queima a céu aberto de resíduos municipais é amplamente utilizada pelos residentes de Nairóbi, como meio de descarte

lixo sólido. Em um levantamento da área de dois blocos ao redor de Pumwani em Eastlands, Nairobi, oito pequenos resíduos a céu aberto

foram contados os locais de queima, todos com plásticos variados; 4. O incinerador no Kenyatta National

Hospital, que está situado a poucos metros contra o vento das casas residenciais de funcionários de baixo escalão do

hospital e albergues para estudantes de medicina, opera em temperaturas entre 350 ° C e 650 ° C e não possui APCD. O

incinerador emite gases nocivos que são transportados para as residências e albergues, causando considerável sofrimento para o

moradores; 13 Placa: Lixeira aberta do Hospital Nacional Kenyatta: ao fundo estão os aposentos dos funcionários do hospital V.

As cinzas de fundo ricas em dioxinas de incineradores em torno de Nairóbi são normalmente depositadas no aterro de Dandora; VI.

O aterro de Dandora constitui a mais proeminente e desafiadora manifestação de problemas decorrentes de

o padrão de prática de queima de resíduos em Nairóbi; VII. O nível de recuperação, reutilização e reciclagem de resíduos é

grosseiramente inadequada. Por exemplo, apenas 1% dos plásticos são reciclados (KAM, 2003); VIII. O quadro legal

regular as atividades de queima de resíduos é sensato. No entanto, a aplicação da lei é fraca; e IX. The Nairobi

A Câmara Municipal não tem capacidade para gerir eficazmente os resíduos gerados na cidade; A Tabela 2 abaixo mostra um

número de grandes empresas em Nairóbi que despejam seus resíduos mistos no aterro de Dandora. Portanto é necessário

para o setor privado se envolver na busca de soluções de gestão de resíduos, pois são importantes

contribuintes de resíduos.
• 20. 14 Tabela 2. Métodos de eliminação de resíduos para várias empresas importantes em Nairobi Empresa / organização Conteúdo

de resíduos Peso estimado em toneladas / mês Método de disposição Aeroporto Internacional Jomo Kenyatta (JKIA) Misto

resíduos de aeronaves 300 Resíduos despejados no lixão de Dandora Quartos da equipe da Autoridade de Receitas do Quênia Doméstico / doméstico

resíduos 285 Resíduos despejados no aterro de Dandora Quênia Shell Company (Shell & BP House) Resíduos comerciais 60 Resíduos

despejado no lixão de Dandora Cervejarias do Quênia Casa e comercial 200 Resíduos despejados no lixão de Dandora NAS

Serviços de aeroporto Alimentos e embalagens de alimentos 350 Resíduos despejados no lixão de Dandora, Swan Industries Commercial e

resíduos industriais 350 Resíduos despejados no aterro de Dandora Quênia Estações de aviação da Shell Resíduos comerciais e alimentares 72

Resíduos despejados no lixão de Dandora Orbit Chemicals Cortes de folhas de polietileno e tambores de plástico – • Plásticos reciclados

• Papel e tambor vendidos • Outros resíduos despejados perto do Rio Athi. Fonte: Inventário Nacional de POPs do Quênia (2004)

Conclusões sobre os efeitos na saúde e vias de exposição O estudo não foi capaz de realizar uma avaliação abrangente

investigação das consequências para a saúde dos incineradores e locais de queima ao ar livre visitados. Havia

no entanto, queixas sobre complicações no peito e irritação grave com fumaça para aqueles que vivem a favor do vento do KNH

incinerador, bem como daqueles que vivem no entorno do lixão de Dandora. As principais vias de exposição para qualquer

contaminação dos locais visitados no estudo são: • Inalação da fumaça infestada de poluentes e cinzas volantes

levado pelo vento; • Consumo de produtos de origem animal, como carne, leite e ovos da alimentação de animais

dentro e ao redor dos sites; • Água de um rio que flui próximo ao lixão de Dandora e serve

numerosas pessoas rio abaixo em seu caminho para o oceano Índico; e • Reservas de água subterrânea afetadas pelo lixiviado de

o lixão de Dandora. É importante notar que algumas categorias de pessoas correm maiores riscos de exposição a

dioxinas do que outros. Isso inclui crianças, bebês, alguns trabalhadores, pessoas
• 21. que comem peixe como alimento básico de sua dieta e pessoas que vivem perto de locais de liberação de dioxina. CHEJ (1999)

observa que esses grupos são susceptíveis de ser expostos a pelo menos 10 vezes mais dioxinas do que o

população. DESAFIOS PARA A CONVENÇÃO DE ESTOCOLMO: PARTES RESPONSÁVEIS – KENYA POPs e Desenvolvimento Científico

A existência de POPs em todo o mundo é uma das melhores ilustrações da natureza Frankenstein da ciência e

Desenvolvimento tecnológico. Embora o progresso na ciência e tecnologia tenha aumentado muito o poder da humanidade para

modificar seu ambiente para seu benefício de maneiras nunca antes imaginadas, o mesmo progresso criou ameaças de

magnitude semelhante à da humanidade e do planeta como um todo. O último século foi chamado de “era dos produtos químicos

”, Onde mais de 18 milhões de produtos químicos foram sintetizados e cerca de 100.000 deles entraram em uso comercial

(Toxics Link 2000). Não foi até a publicação do livro de Rachel Carson, “The Silent Spring”, que o

a atenção do público em geral foi atraída para o lado negro da revolução química. A Convenção de Estocolmo é

em muitos aspectos, um esforço para interpretar a tese de Carson em ação social. A estrutura mais ampla do

Os objetivos da Convenção de Estocolmo devem ser vistos como completar o ciclo de conhecimento em química, por meio

desenvolver a capacidade institucional para controlar o perigo real e potencial dos produtos químicos. A realização de

o mandato da Convenção de Estocolmo seria o amadurecimento da revolução química. Como Isaac Asimov colocou

ele, “O aspecto mais triste da vida agora é que a ciência reúne conhecimento mais rápido do que a sociedade reúne sabedoria.

”POPs e países menos organizados Os problemas descritos acima são relevantes para o Quênia e outros países menos organizados

Países (LOCs). Além disso, os LOCs enfrentam vários desafios que são exclusivos de seus

circunstâncias. Entre elas está a pressão absoluta das prioridades de sobrevivência. O imediatismo da fome, debilitante

doença, deslocamento social e econômico e outras preocupações que afetam grandes setores da sociedade em LOCs

É tal que uma questão como a dos POPs dificilmente terá um lugar de destaque na agenda nacional. O

ambiente psicológico de circunstâncias sociais e econômicas desesperadoras tende a promover o fatalismo e

outras tendências comportamentais que não conduzem à ação organizada de longo prazo com base na fé das pessoas em

sua capacidade de 15
• 22. influenciam o curso de seu destino. Uma boa ilustração disso é o desafio de que o comportamento

mensagem de mudança na campanha de HIV / Aids na África enfrentou, apesar da natureza poderosa e muito pública do

Pandemia de AIDS. Galvanizar a ação da comunidade para a campanha de erradicação dos POPs exigirá muito bem pensado-

nossas estratégias e liderança competente. Além do problema de prioridades, os LOCs enfrentam um grande desafio de

capacidade de organização na campanha contra os POPs. Os baixos níveis de capacidade organizacional em LOCs

traduzir em desafios de competência administrativa, recursos financeiros, recursos tecnológicos, monitoramento

capacidade e outros requisitos-chave para uma campanha eficaz de erradicação de POPs. Com suporte suficiente

existem organizações específicas dentro dos LOCs que podem fazer uma diferença real e positiva em tal campanha. Dentro

a longo prazo, para que qualquer campanha importante como a da Convenção de Estocolmo seja realmente bem-sucedida,

a campanha deve ser realizada no contexto de uma estratégia geral de desenvolvimento sustentável. Tal campanha seria

têm implicações que vão além da questão específica dos POPs. Por exemplo, uma campanha de eliminação de POPs bem-sucedida pode

precisa envolver mudanças fundamentais no setor agrícola, abordagens de gestão de resíduos e legislação (como

bem como mecanismos de fiscalização) que tratam da segurança química em geral. Tal agenda requer muito

considerável capacidade organizacional tanto do setor público como da sociedade civil, que é o grande desafio

para LOCs. 16 A natureza paralisante da dívida do incinerador. Custos de capital de projetos de incineradores, por exemplo, drenagem

os recursos de LOCs e aumentar seu endividamento por meio da necessidade de financiamento estrangeiro para construir e

manter essas instalações, sem esquecer a dependência contínua de produtos manufaturados de outras nações. Em vez de

de permitir que as nações desenvolvam novas indústrias e reduzam as importações estrangeiras, os incineradores transformam esses recursos

em fumaça e cinzas. A análise de um grupo ambiental local em Miljoteknik Zychlin, Polônia, revelou que o

dívida para a instalação de incineração proposta de US $ 5 milhões teria levado a comunidade de 14.000 residentes

100 anos para retribuir! – Brenda Platt (2004)
• 23. Meio ambiente e economia Embora o crescimento da ciência e da tecnologia tenha uma influência importante sobre o

perigos para o meio ambiente que a Convenção de Estocolmo e outras convenções semelhantes procuram combater, é

a economia de mercado que fornece a estrutura dentro da qual o poder da ciência e da tecnologia pode ser projetado

no mundo. Como é o caso da ciência, medir o desenvolvimento econômico de forma unidimensional, puramente

em termos de retornos (monetários) sobre o investimento e não o impacto geral da atividade econômica em questão sobre

sociedade e o ambiente natural, é insatisfatório. Na economia, os problemas decorrentes do indesejável

consequências da atividade econômica que não são capturadas na estrutura de preços dos produtos são chamadas de negativas

externalidades. Externalidades negativas são aquelas situações decorrentes da atividade econômica que geram custos para

a sociedade que não se refletem nos balanços das empresas em causa. Por exemplo, em preços

seus produtos, uma determinada organização pode incluir o custo de mão de obra, energia, marketing, finanças e outros

insumos, mas deixe de lado o custo (suportado pela sociedade) de custos médicos e outros diretamente atribuíveis a danos

efeitos dos produtos da organização. Os POPs devem ser tratados como um aspecto do problema das externalidades

na teoria econômica, e soluções buscadas no âmbito das abordagens desenvolvidas na disciplina de

economia para lidar com este problema. PRÁTICAS ALTERNATIVAS Além de incineração, aterro e compostagem

são métodos alternativos de destinação de resíduos usados no país, embora em grau mínimo. Mais frequentemente do que

não, indivíduos e organizações de base comunitária (CBOs) são aqueles envolvidos na compostagem biodegradável

resíduos principalmente numa base comercial. A deposição em aterro é comumente praticada nas instalações de saúde menores, como

Hospitais distritais, centros de saúde e clínicas, mas a maioria desses aterros sanitários não são construídos de acordo com o padrão. Outro

os aterros sanitários do país estão situados em Mombasa e Nakuru para a eliminação de resíduos municipais, construídos através do

assistência da Agence Francaise de Développement (AFD), uma operação francesa que trabalha através do governo.

Tecnologias alternativas para tratamento de resíduos perigosos Em países desenvolvidos, tecnologias de não incineração para

tratamento de resíduos perigosos estão disponíveis; estes incluem vários processos resumidos por Crowe e Schade (2002)

em Tangri (2003) na Tabela 3. 17
• 24. 18 Tabela 3. Tecnologias de não incineração para tratamento de resíduos perigosos Descrição de tecnologia do processo

Vantagens potenciais Usos atuais Resíduos de decloração catalisada por base reagiram com hidróxido de metal alcalino,

hidrogênio e material catalisador. Resulta em sais, água e carbono. Eficiências de destruição alegadamente altas. Não

formação de dioxinas. Licenciado nos Estados Unidos, Austrália, México, Japão e Espanha. Demonstração potencial

para PCBs por meio do projeto das Nações Unidas. Biodegradação (em recipiente fechado) Microorganismos destroem orgânicos

compostos em soluções líquidas. Requer alta entrada de oxigênio / nitrogênio. Baixa temperatura, baixa pressão. Sem dioxina

formação. Processo contido. Escolhido para destruição de armas químicas neutras nos Estados Unidos.

Uso potencial em outros resíduos explosivos militares normalmente usados para tratamento de águas residuais comerciais. Químico

Os resíduos de neutralização são misturados com água e solução cáustica. Normalmente requer tratamento secundário. Baixo

temperatura, baixa pressão. Processo contido e controlado. Sem formação de dioxina. Escolhido para tratamento de

agentes químicos nos Estados Unidos. Oxidação eletroquímica (prata II) Os resíduos são expostos ao ácido nítrico e

nitrato de prata tratado em célula eletroquímica. Baixa temperatura, baixa pressão. Alta eficiência de destruição.

Capacidade de reutilizar / reciclar materiais de entrada do processo. Processo contido. Sem formação de dioxina. Sob consideração

para descarte de armas químicas nos Estados Unidos. Avaliado para tratamento de rejeitos radioativos.

Oxidação eletroquímica (CerOx) Semelhante ao anterior, mas usando nitrato de cério em vez de nitrato de prata. O mesmo que acima;

o cério é menos perigoso do que o nitrato de prata. Unidade de demonstração na Universidade de Nevada, EUA. Sob

consideração para destruição de resíduos neutros de agentes químicos. Resíduos de redução química da fase de gás são expostos

a hidrogênio e alto calor, resultando em metano e cloreto de hidrogênio. Sistema contido e controlado. Potencial

para reprocessamento de subprodutos. Alta eficiência de destruição Usado comercialmente na Austrália e no Japão para PCBs e

outros materiais contaminados com resíduos perigosos. Atualmente sob consideração para destruição de armas químicas em

os Estados Unidos. Demonstração potencial para destruição de PCB por meio do projeto das Nações Unidas. Elétron Solvatado

Tecnologia Sódio metálico e amônia usados para reduzir resíduos perigosos em sais e compostos de hidrocarbonetos. Relatado

alta eficiência de destruição. Disponível comercialmente nos Estados Unidos para tratamento de PCBs. Supercrítico

Resíduos de oxidação de água são dissolvidos em alta temperatura e pressão e tratados com oxigênio ou hidrogênio

peróxido. Sistema contido e controlado. Potencial para reprocessamento de subprodutos. Altas eficiências de destruição.

Sob consideração para destruição de armas químicas nos Estados Unidos. Avaliado para uso em radioativos

resíduos nos Estados Unidos. Oxidação de ar úmido O resíduo líquido é oxidado e hidrolisado em água a moderada

temperatura contida, sistema controlado. Sem formação de dioxina. O fornecedor afirma 300 sistemas em todo o mundo, para

tratamento de lamas perigosas e águas residuais Fonte: Crowe e Schade (2002) em Tangri 2003, página 62
• 25. A partir do estudo, descobrimos que nenhuma das tecnologias mencionadas acima é usada no Quênia. RECOMENDAÇÕES

O estudo propõe as seguintes medidas: I. Estudos adicionais devem ser realizados para adquirir adicionais e

informações mais detalhadas sobre a queima e incineração de resíduos e suas consequências no Quênia. Isso inclui

análise e quantificação de U-POPs 19 em sistemas bióticos e abióticos e seu impacto na saúde pública; II. Dentro

em linha com o Artigo 10 da Convenção de Estocolmo, a informação pública, a conscientização e a educação sobre os U-POPs devem

ser realizada, pois uma cidadania bem informada dará uma grande contribuição nos esforços voltados para

eliminação / redução dos U-POPs. Educação e treinamento adequados em gestão de resíduos devem ser oferecidos a

todas as partes interessadas de uma forma que melhor se adapte às suas respectivas circunstâncias e construa sua compreensão e mudanças

seu comportamento em conformidade; III. A legislação subsidiária que trata da incineração de resíduos deve ser promulgada sob

a Lei de Gestão e Coordenação Ambiental (1999). Isso deve proteger contra a queima indiscriminada de

desperdício; 4. Um esquema de recompra de plásticos usados deve ser instituído. Isso não deve ser difícil de fazer porque

a indústria de plásticos está disposta a gerenciar depósitos de resíduos em todas as principais áreas populacionais onde os fabricantes

vai comprar resíduos de plástico do público em geral. Esses centros de coleta seriam criados e totalmente financiados pela

mesmos fabricantes (KAM, 2003); V. Deve ser lançada uma campanha nacional, financiada pela indústria de plásticos,

dando ao público detalhes exatos de onde levar seus resíduos de plástico para reciclagem. Redes de supermercados deveriam

também ser incentivado a alocar caixas em suas filiais, onde os clientes podem trazer de volta sacolas plásticas e

outros itens para reciclagem; VI. Um programa de desperdício zero deve ser introduzido imediatamente e eventualmente desenvolvido

na política. Foi experimentado e testado em outros países e está rapidamente ganhando aceitação no mundo

sobre. Dentro do programa de desperdício zero, deve haver uma campanha nacional rigorosa de lobby para o fim da abertura

queima e incineração de resíduos e, em particular, de resíduos que contenham PVC; VII. Segregação de resíduos na fonte

deve ser a prática padrão em todos os lares e instalações médicas. A prática atual de gestão de resíduos

em que os resíduos são todos misturados à medida que são gerados, coletados, transportados e, finalmente,

eliminado deve ser interrompido. Se a segregação adequada for alcançada por meio de treinamento, padrões claros e

aplicação, então os recursos podem ser direcionados para o
• 26. gestão da pequena porção do fluxo de resíduos que necessita de tratamento especial6; VIII. Uma política de

A Responsabilidade Estendida do Produtor (EPR) deve ser implementada. O conceito básico do EPR é que as empresas devem tomar

responsabilidade por seus produtos durante todo o seu ciclo de vida (Tangri 2003). Isso está em harmonia com o

Princípio do “poluidor-pagador” da Convenção de Estocolmo; IX. Regulamentos legais para forçar os fabricantes a usar

pelo menos 15% de plásticos reciclados em seus produtos não alimentícios devem ser impostos. Desta forma, a demanda por plástico

resíduos serão criados, portanto, deixando pouco ou nada para eliminação. Desde instalar capacidade para reciclagem

é caro, porém, a indústria de plásticos deve receber incentivos fiscais para o exercício; X. Limpador

a produção baseada em uma visão circular da economia deve ser incentivada. A produção mais limpa visa

eliminando resíduos tóxicos e insumos, projetando produtos e processos de fabricação em harmonia com o natural

ciclos ecológicos (Tangri 2003); XI. A proibição de produtos deve ser feita para certas categorias de fabricantes.

Produtos e embalagens que criam problemas de resíduos (não recicláveis ou perigosos – como cloreto de polivinila –

PVC) para a sociedade não deve entrar na economia. As proibições são apropriadas para materiais que

são problemáticos em todos os estágios de seus ciclos de vida (Ryder 2000 in Tangri 2003); XII. Infraestrutura para o seguro

deve ser desenvolvida a eliminação e reciclagem de materiais perigosos e resíduos sólidos urbanos. Aproximadamente 50%

de todos os resíduos é orgânico e, portanto, pode ser compostado. Outro grande segmento do restante pode ser reciclado,

deixando apenas uma pequena porção para ser descartada. O restante pode então ser descartado em sanitários

aterros, estações de tratamento de esgoto e outras tecnologias. Para garantir a continuidade e clareza na proposta

recomendações, planos claros e políticas sobre gestão e eliminação de resíduos devem ser desenvolvidos. Isto deveria

ser seguido por integrá-los na rotina de treinamento de trabalhadores, educação continuada e processos de avaliação

para sistemas e pessoal. Envolvimento de todas as partes interessadas, incluindo ONGs de interesse público e outras organizações civis

sociedade no desenvolvimento e implementação de um esquema de gestão de resíduos é necessário para a implementação bem-sucedida de

a Convenção de Estocolmo. 20 6 Platt e Seldman (2000), mostram o quão abrangente é a compostagem, reutilização e

programas de reciclagem geram dez vezes mais empregos por tonelada de lixo municipal do que incineradores.
• 27. CONCLUSÃO A queima de resíduos como método de eliminação de resíduos em Nairobi constitui claramente um padrão de

prática que contribui para a liberação de U-POPs no meio ambiente. Conforme sugerido pelo termo “padrão”,

esta prática é um processo complexo que envolve fatores econômicos, atitudes das pessoas, questões de governança e outros

tais componentes. É um assunto que requer estudo detalhado e muito esforço criativo para ser resolvido de forma satisfatória. Dentro

Em seu contexto mais amplo, a questão da gestão de resíduos é um aspecto do desafio do desenvolvimento sustentável.

A incapacidade de lidar com os resíduos de uma forma que não prejudique as pessoas ou o meio ambiente é uma indicação de um

sistema ecologicamente insustentável de organização social. O desafio do desenvolvimento sustentável é projetar

um sistema econômico e tecnológico que está em harmonia com os princípios ecológicos. O sistema dominante atual

de organização econômica e tecnológica no mundo é poderosa e, em muitos aspectos, muito bem-sucedida. Isto é

no entanto, não é um sistema sustentável e, de fato, constitui um verdadeiro perigo para a sobrevivência da vida no

planeta. É necessário revisar alguns dos princípios organizacionais mais básicos do sistema, como uma forma de sair do

perigosa trajetória que traçou para a humanidade. As estruturas e sistemas sociais mal formados em LOCs,

especialmente na África Subsaariana, pode ironicamente dar a melhor esperança para o desenvolvimento de novas comunidades ecológicas

abordagens de desenvolvimento sustentável. LOCs têm a oportunidade de construir suas casas com o benefício especial de

uma riqueza de conhecimento dos sucessos e loucuras do passado. LOCs devem prosseguir para construir suas sociedades

com energia e entusiasmo, mas com a compreensão clara de que a humanidade não pode ficar de fora, ou acima, do

ordem ecológica que sustenta todas as outras formas de vida no planeta. 21
• 28. REFERÊNCIAS 1. Alcock R., Gemmill R. e Jones K. (1998), “An updated PCDD / F atmospheric emissão

inventário com base no programa de medição de emissões recente ”em Compostos Organologen, Vol. 36, pp 105-108 2.

CHEJ (1999) America’s Choice; Saúde infantil ou lucro corporativo. O Relatório de Dioxina do Povo Americano por

Centro de Saúde, Meio Ambiente e Justiça – www.essential.org/cchw 3. Connett Paul (1998) “Municipal Waste

Incineração: Uma solução ruim para o século 21 ”4ª Conferência Anual Internacional de Gestão. Resíduos – para

– Energia, 24 a 25 de novembro de 1998, Amsterdã. 22 4. Crowe Elizabeth e Schade Mike (junho de 2002) Learning Not to Burn:

uma cartilha para cidadãos sobre alternativas à queima de resíduos perigosos. 5. Daiy Nation, 15 de julho de 2005 ”National AIDS

Conselho de Controle: Serviços de Consultoria de Solicitação de Expressões de Interesse – a Resposta a Desastres do Quênia em HIV / AIDS

Projeto ”` 6. Padrão da África Oriental, 6 de junho de 2004: ”A sujeira está sufocando o Quênia e empurrando o país para o

piscar de uma catástrofe ambiental ”Nairobi. 7. Governo do Quênia, 1999, Gestão Ambiental e

Coordination Act (EMCA), 1999, Nairobi: Government printers. 8. Governo do Quênia, 2000, National Human

Population and Housing Census 1999, Nairobi: Government printers. 9. IPEN, Arnika e ENVILEAD, 2005:

Contaminação de ovos do entorno do aterro de Dandora por dioxinas, PCBs e HCBs; “Mantenha a promessa,

Elimine os relatórios de campanha dos POPs. 10. Documento de Posição do KAM (Setor de Plástico) para NEMA, julho de 2003. 11. Quênia

Inventário Nacional de Poluentes Orgânicos Persistentes sob a Convenção de Estocolmo, relatório final (não publicado).

12. Luscombe Darryl e Costner Pat, (1998) Technical Criteria for the Destruction of Stockpiled Persistent

Poluentes Orgânicos; Unidade de Ciência Internacional do Greenpeace. 13. Nairobi City Council 2002: A Survey on medical

Resíduos em Nairobi (relatório não publicado) 14. Patandin S. (1999) Efeitos da exposição ambiental a

bifenilos policlorados e dioxinas no crescimento e desenvolvimento em crianças pequenas, um estudo prospectivo de acompanhamento

de bebês amamentados desde o nascimento até os 42 meses de idade. Tese, Erasmus University, Rotterdam. 15. Stanners D.

e Bourdeau P. (1995) Europe’s Environment, The Dobris Assessment, Copenhagen: European Environment Agency.

16. Convenção de Estocolmo sobre Poluentes Orgânicos Persistentes (POPs) (www.pops.int) 17. Tangri Neil (2003), Waste

Incineration: A Dying Technology: Essential Action for GAIA: www.no-burn.org 18. Toxics Link (2000) Trojan

Cavalos: Poluentes orgânicos persistentes na Índia. Delhi: Toxics Link.
• 29. 19. UNEP (Nairóbi): Proibição de sacolas plásticas no Quênia proposta como parte da nova estratégia de resíduos 23 ”Press

lançamento em 23 de fevereiro de 2005. 20. University of Nairobi Enterprises and Services Limited (UNES): National Inventory

de Poluentes Orgânicos Persistentes (POPs) sob a Convenção de Estocolmo. 2004. 21. USEPA (1998) O Inventário de

Fontes de dioxinas nos Estados Unidos, USEPA, Escritório de Pesquisa e Desenvolvimento, EPA / 600 / P-98 / 002Aa. Externo

Rascunho da revisão, abril. 22. USEPA, Dioxin: Resumo da Ciência de Reavaliação de Dioxina, 2000a. 23. USEPA (2000)

Exposição e reavaliação da saúde humana de 2,3,7,8-tetraclorodibenzo-p-dioxina (TCDD) e compostos relacionados,

Parte I: Estimando a exposição a compostos semelhantes à dioxina, Volume 2: Fontes de compostos semelhantes à dioxina nos Estados Unidos

Estados, Rascunho do Relatório Final EPA / 600 / P-00 / 001Bb, (http://www.epa.gov/ncea). 24. Van Leeuwen F e Younnes M.

1998, a OMS revisa o TDI para dioxinas. Em compostos organohalogen, Vol. 38, pp 295-298; 1998.
• 30. 24 ANEXO 1: MAPAS 1. Mapa do Quênia Observe a posição de Nairóbi e as outras cidades importantes (os pontos vermelhos) que

poderia ter desafios ambientais semelhantes.
• 31. 25 2. Mapa de Nairóbi A mancha marrom no centro do quadrado branco é o coração de Nairóbi. Note o

Rio Nairóbi, que se junta ao Rio Athi no caminho para o Oceano Índico.
• 32. 26 ANEXO 2: PLACAS 1. Aterro de Dandora Este é o limite oeste do aterro de Dandora. As casas em

em primeiro plano estão as favelas Korogocho. No fundo está uma propriedade de verão da sorte. O lixão é

cercado por bairros residenciais densamente povoados. 2. Depósito de lixo da cidade de Kitengela Observe as pessoas no caminho de

a fumaça. São catadores do canteiro que trabalham nesse ambiente no dia a dia.
• 33. 27 3. Conteúdo de resíduos dos lixões Conteúdo típico dos lixões ao redor de Nairóbi. Observe o alto

proporção de plásticos. 4. Resíduos médicos aguardando incineração (KNH) A temperatura máxima do hospital

incinerador à direita está 700ºC
• 34. 28 5. O rio Nairobi (primeiro plano) fluindo além do local de despejo de Dandora Observe a montanha de cinzas queimadas

no fundo

por: http://www.slideshare.net/anhtungdx/envilead-2005-a-study-on-waste-incineration

Arabic Arabic English English French French German German Italian Italian Portuguese Portuguese Russian Russian Spanish Spanish
Open chat